Páginas

sábado, agosto 26, 2017

Willie G is not dead

A Harley-Davidson apresentou há dias a sua nova gama de 2018. 8 novas "Softail", equipadas com motores Milwaukke Eight de 107 e 114 polegadas cúbicas foram as estrelas da apresentação que teve lugar, como habitualmente, no "Dealer Meeting" anual da marca. Não sei ainda se o mítico Willie G. Davidson esteve, como de costume, presente neste habitualmente sumptuoso e mediático evento, mas se esteve, seguramente não estaria tão feliz como em eventos anteriores.

Duas das suas mais preciosas criações, duas das mais emblemáticas gamas da marca que a ele foram tão queridas, pura e simplesmente desapareciam do catálogo da "the Motor Company"!

Os fãs mais atentos deram imediatamente por falta da gama Dyna, aquela que até há bem pouco tempo era, a que oferecia motos mais ágeis e leves.

A primeira Dyna foi lançada no mercado em 1971, com o mítico quadro "FX", desenhado pelo próprio Wille G, conseguido à custa da instalação de um bastidor proveniente duma FLH Electra Glide, com uma forquilha bastante mais leve, proveniente de uma XLH Sportster, e com o seu motor "Big Twin" instalado no quadro em suportes de borracha, que lhe conferiam uma sensação de condução muito própria.

Mas à medida que as novas Softail iam desfilando, deu-se conta de que a Low Rider S, a Street Bob e a Fat Boy passam a ter uma nova vida como Softails (a que as más linguas já chamam Dynatails).

E quando já todos os modelos que constituem a gama de 2018 tinham sido apresentados, é que foi possível perceber que a mítica "V-Rod" também já não consta do novo catálogo!


A V-Rod foi a grande revelação da marca no segundo milénio. Apresentada em 2000 como modelo da gama de 2001, representava um novo capítulo na história da marca. Nada nela era nostálgico, e no entanto, fascinava pelas suas linhas que eram imediatamente associadas ao estereotipo da marca. Baixa, longa, potente, muito potente, e acima de tudo, altamente tecnológica.

Com ela, o paradigma Harley era completamente alterado. Alumínio nas carenagens, depósito de combustível debaixo do assento e em plástico, um novo motor Revolution com cilindros afastados num ângulo de 60º em vez de 45º, que devido à revolucionária refrigeração por líquido, tinha sido desenvolvido e testado em parceria com a Porsche. Isto como destaque de uma ficha técnica pouco comum para a marca, numa época em que as apresentações da marca se limitavam basicamente a novos esquemas cromático e a novas conjugações dos diversos acessórios de fábrica disponíveis.

Mas apesar das suas linhas cativantes e da sua elevada performance, a V-Rod nunca foi um modelo "best seller". E nem o facto de ser consensualmente a única Harley que muitos motociclistas não "harlistas" seriam eventualmente capazes de conduzir e até gostar, a salvou da extinção, que terá sobretudo a ver com as cada vez mais apertadas normas de emissões de poluentes.

Abaixo deixo-lhe um excelente vídeo que conta a história deste modelo emblemático.

Enviar um comentário